Praça Tåsinge – espaço urbano adaptado ao clima*

A Praça Tåsinge (do dinamarquês Tåsinge Plads) conta uma história sobre vizinhança, na qual a chuva é bem-vinda e onde a natureza urbana pode ser vista e sentida. É uma história sobre o ciclo lógico da água: a chuva cai e percorre o caminho mais fácil e o ponto mais baixo, infiltrando no solo ou evaporando no ar.

A vida urbana é igualmente lógica: somos atraídos por pessoas e por lugares que onde há vida e atividade. Ao mesmo tempo, somos atraídos por lugares que nos proporcionam paz de espírito.

A Praça Tåsinge combina soluções técnicas para o gerenciamento das águas da chuva com o desejo da comunidade por um oásis verde e locais de encontro. Ela é um espaço que combina a lógica dos seres humanos com o ciclo da água. Um novo ambiente que engloba vida social com o ritmo e a alma da cidade.

taboca_arquitetura_tasinge

Renovação Urbana conduzida pelo cidadão

A Praça Tåsinge foi criada como resultado do diálogo próximo entre os moradores do entorno. A abordagem envolveu mais do que apenas reuniões públicas. Por um lado, um grupo de moradores desempenhou um papel ativo em grupos da cidade e apresentaram seus desejos e ideias para o projeto. De outro lado, o processo vinha sendo caracterizado por pequenos e grandes projetos, dando à vizinhança a oportunidade de se tornarem próximos e conversarem sobre o potencial da praça.

Mercados de Natal, concertos, eventos teatrais e instalações luminosas por artistas locais colocou a Praça Tåsinge no mapa, muito tempo antes da praça ser construída.

Durante o Festival de Construção em 2013, mobiliários urbanos foram desenhados e construídos. Os mobiliários foram instalados na praça para testar os efeitos de tráfego, acessibilidade e atividades sociais.

“Bølgen” (A Onda), foi escolhido como o melhor mobiliário urbano e hoje está instalado na praça. Isso foi o resultado do desejo dos residentes locais como alternativa aos elementos comuns de playgrounds. “Bølgen” é uma obra de arte que serve como um elemento para o jogo e para a ação.

Um espaço verde de várias maneiras

A Praça Tåsinge tem se tornado literalmente mais verde. Mais de 1.000m² de asfalto da Rua Ourøgade foi transformado em uma grande área verde, que agora faz parte da praça. A nova praça também foi feita com materiais reciclados: 625m² de telhas de granito excedentes de Ørestad Boulevard, 600m² de pedras de pavimentação e 625m² de pedras de granito foram recicladas para calçadas e áreas de estar da praça.

Abaixo da praça, há dois abrigos subterrâneos (bunkers) que continuam a servir como salas de ensaio para músicos. Os acessos dos bunkers foram renovados e agora são utilizados como pequenos nichos de assento, enquanto uma nova escada a noroeste da praça serve como caminho para a encosta gramada para o Solskrænten (declive do sol).

Ícones de Copenhagen

O espaço é mobiliado com três distintos e amados ícones de Copenhagen: o poste de iluminação, o banco e a calçada de Copenhagen. Cada um desses três recursos ajuda a contextualizar a nova praça e torná-la parte da cidade velha.

Foram instaladas lâmpadas ao longo da fachada da Rua Ourøgade, iluminação ambiente nas áreas verdes e lâmpadas de economia de energia (LED) ao longo dos caminhos.

Nos locais em que a praça encontra os arredores, as novas calçadas facilmente se fundem com as antigas e fazem uma conexão da praça com o resto da cidade. A praça consegue se destacar ao mesmo tempo em que se encaixa no entorno.

taboca_arquitetura_water_drops5

Vegetação

A natureza urbana veio pra ficar e isso é visto através do número de iniciativas verdes. A área elevada – Solskrænten – é mais seca, com predominância de árvores e gramíneas, enquanto a área mais baixa, a floresta tropical, apresenta uma vegetação densa e exuberante. É aqui que a praça ilustra a correlação entre água e crescimento. A Praça Tåsinge representa um corte transversal da zona rural da Dinamarca, com biotipos vegetais estendendo-se da encosta para a beira dos lagos.

Comida para pássaros e insetos e uma grande diversidade sazonal foram enfatizadas na seleção das plantas, o que permite uma experiência adicional e que poderá acomodar maior biodiversidade e natureza urbana mais selvagem a longo prazo.

Plantas que toleram uma variação maior de umidade foram selecionadas para a área mais baixa da praça. A seleção das plantas considerou também a relação com as condições do solo, a luz solar e sombra para que a vegetação tivesse as melhores condições possíveis de desenvolvimento.

Na praça e ao longo das ruas, carvalhos ingleses ou floração de cerejas selvagens foram plantadas em uma cama de gerânios, complementados com bulbos de florações da primavera. Durante o inverno, como é usado sal nas estradas, foram escolhidas ervas e gramíneas tolerantes ao sal para compor a vegetação ao longo das ruas.

taboca_arquitetura_textos_vegetação_copenhagen

Fluxo de água

No espaço localizado no centro da praça, estão duas esculturas que esclarecem a presença da água: Rain parasols (guarda-sóis de chuva) e Water Drops (gotas de água.) Os guarda-sóis coletam a água proveniente da chuva e proporcionam abrigo. As gotas de água refletem o céu e seus arredores com sua superfície metálica brilhante, convidando as pessoas a tocá-las e a escalá-las.

Tåsing Plads by GHB Landscape Architect / Landskabsarkitekter. Taasinge Square - a green and sustainable landmark - handling of rainwater. Denmarks´ first climate resilient neighborhood.
Tåsing Plads by GHB Landscape Architect / Landskabsarkitekter. Taasinge Square – a green and sustainable landmark – handling of rainwater. Denmarks´ first climate resilient neighborhood.

As águas pluviais provenientes das superfícies dos telhados da vizinhança são coletadas e desviadas para tanques abaixo das grandes gotas de água, usando duas bombas manuais que são desenhadas como equipamentos do playground.

A água é bombeada para fora da gota maior, onde segue o fluxo pela superfície e termina num jardim de chuva (bacia de retenção). A água correndo da praça para o jardim de chuva encontra obstáculos no caminho, permitindo que as pessoas sigam o fluxo da água e dessa forma aprendam e brinquem ao mesmo tempo.

Grandes tanques foram instalados abaixo do solo para coletar a água da chuva. Isto garante que a água fique visível na praça e possa ser usada para brincar, bombeando água sob a água brilhante das gotas.

Água de chuva não é apenas água de chuva. A forma como podemos usá-la varia, dependendo se cai nos telhados ou nas estradas. A maior parte da água pluvial que cai na Praça Tåsinge é separada do sistema de esgoto. As águas provenientes dos telhados são desviadas para os reservatórios sob os “Raindrops”, de onde correm a partir da praça para a floresta tropical, infiltrando lentamente. A água da chuva que cai na praça vai correr naturalmente para os pontos mais baixos, onde também é infiltrada lentamente.

taboca_arquitetura_jardim de chuva

Não é possível infiltrar a água proveniente da superfície das ruas para a área local, que pode estar contaminada e talvez contenha sal, afetando assim a água subterrânea. Portanto, a água da estrada flui na beira da estrada, onde a água se infiltra através de uma fina camada de filtro de terra. O filtro de terra filtra agentes contaminantes, como óleo, por exemplo.

Os vales das estradas contêm trincheiras de infiltração. A longo prazo as bordas das estradas estarão conectadas com as soluções das ruas da Praça Tåsinge. A partir daqui a água será transportada para o porto, e a concentração de sal na água não será um problema. No total, A Praça Tåsinge separa mais de 7.000 m² de águas pluviais dos esgotos.

Águas de chuva dos telhados usada para brincar

Quando a água da chuva atinge os telhados do entorno da Praça Tåsinge, a água é desviada através de tubos de drenagem e por baixo da praça para dentro de um grande reservatório (tanque). A água da chuva sofre múltiplos processos de purificação (giratório e UV) antes de atingir o tanque. Isso significa que é limpo o suficiente para ser usado para jogar água na praça.

A água pode ser bombeada do subterrâneo (tanque) pisando em uma placa de inclinação (bomba). Em tempos de chuva forte os tanques serão totalmente preenchidos. Quando isso acontecer, a água por força natural será elevada para a praça e fluirá para a bacia de retenção (jardins de chuva).

taboca_arquitetura_water_drops3

Adaptação do clima

A Praça Tåsinge pode, portanto, receber grandes quantidades de águas de chuva. A cama de chuva será preenchida até 10% durante os eventos de chuva que ocorrem uma vez no ano. 30% durante eventos de chuva ocorrem uma vez a cada 25 anos e 40% em eventos de chuva que acontecem uma vez a cada 100 anos. A bacia de retenção da Praça Tåsinge também leva em conta precipitação extrema.

Em situações de chuvas torrenciais, que ocorrem a cada 500 anos, a bacia de retenção será totalmente preenchida. Em tal situação em que o volume de água ultrapassará a capacidade, a água da chuva correrá da Praça Tåsinge para a rua de alagamento Tåsingegade.

Uma vez que Tåsingegade é estabelecida como uma rua de alagamentos, a água será transportada para o esgoto de inundação em Østerbrogade e no porto.

Dados técnicos:

Projeto do escritório de renovação urbana KLIMAKVARTER (Copenhagen – Dinamarca)

* Este texto é uma tradução livre do caderno técnico “TÅSINGE
PLADS – A green oasis in the climate resilient neighbourhood. A place where rainwater sets the scene for play and social interaction”.

Tradução: Jacqueline Emerich.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *